A Majestade do Gothic-Rock

........Desde que instituiu-se o rótulo "gótico" - quando até mesmo as bandas mais caracterizadas neste chavão se faziam contrafeitas em terem castradas as dimensões de sua criatividade - até os dias de hoje, quando um contigente inumerável de bandas se inspiram justamente nas características que a imprensa atribuiu à aquelas mesmas bandas, atualmente extintas ou em vias de outras sonoridades menos caprichosas...
........Durante todo este "ciclo" que está longe de acabar, nunca nenhuma outra banda alcançou tamanho culto, onde o extremo ainda é pouco, e a ansiedade por um novo álbum torna-se quase uma paranóia (também, após quase dez anos!!)... The Sisters Of Mercy, é justamente isto: Uma paixão exarcebada dentro de um conceito musical que, se existe, deve muito em todas as suas características à essa banda maravilhosa, que coleciona entre os muitos títulos, o de "banda alternativa mais pirateada dos anos 80"... E além de tudo consegue se manter atual, aglutinando fãs a cada uma de suas guinadas, onde as fases musicalmente distintas concretizam-se como engenhosas elaborações do Sr. Eldritch, o "Sisters" Personificado, capaz de vender 15 mil cópias (em média) de um disco pirata, apenas por este conter algumas faixas inéditas.
........Quando começaram, apenas um duo (Gary Marx – guitarra e Andrew - percussão), fizeram um "Debut Surreal" lançando no selo próprio "Mercyful Release" (The Damage Done - 80), bastante inspirado na banda "PERE UBU" (bastante esquisita, como pude averiguar), o segundo passo seria dado apenas depois de Eldritch reunir alguns elementos para a primeira formação clássica da Banda: Craig Adams (baixo), Benn Gun (guitarra), além do outro único membro permanente além de Andrew: Doktor Avalanche. Desta feita, culminou em uma fase que durou de 81 a 84, enfileirando hinos e hits alternativos, além de muitas versões ácidas e mórbidas de bandas como: Hot Chocolate - "Emma", Rolling Stones – "Gimme Shelter", Abba – "Gimme, Gimme", etc... tudo sob a influência "espiritual" de Leonard Cohen e musical dos Stooges, tanto que a coletânea que abrange toda produção desta época chama-se "Some Girls Wander By Mistake" (da canção "Teachers" de Cohen, que também inspirou o nome da banda, com uma canção homônima – "The Sisters Of Mercy"). Tony James, até tentou se encaixar por ali, mas só obteve êxito anos depois na formação de Vision Thing...
........Quem aproveitou a deixa de Benn Gun, que abandonou a banda ainda em 84, foi Wayne Hussey, que ajudou a elevar a banda a um "Status" mais "comercial". Fez-se o marco da carreira do Sisters, em 85 com o lançamento de "First and Last and Always", Certamente um dentre os melhores álbuns de rock de todos os tempos, sugestivamente, em acordo ao título, um trabalho inesquecível. E foi após isto que, com um adeus, Eldritch se despediu de seu já enorme público... Hussey, tão megalomaníaco quanto Andrew, queria dar continuidade ao Sisters, para isso contou com o apoio de Craig Adams, mas ferrou-se, pois Eldritch não entregou seu sonho nas mãos do déspota, que ainda tentou em vão, seguir com o "Sisterhood", obrigando Andrew a antecipar-se a ele com o projeto sintético de mesmo nome, culminando no álbum "Gift", que traz o desabafo "Giving Ground".
........Daí, até Floodland (87), foi um pequeno passo, que trouxe ainda maior fama ao Sisters, com seu grande hit "Domínion – Mother Russia"... mas Wayne também encontrou sucesso com o Mission, deixando de lado as confusões com seu antigo companheiro de banda. Patrícia Morrison não suportou o ego inflado de Eldritch, abandonando-o, chegando até mesmo a processá-lo... Porém tudo se tornou águas passadas, quando Eldritch recrutou um novo time para compor seu último álbum até o momento: "Vision Thing" (90), onde sua vocação ao heavy acentuou-se de vez. Tony James finalmente conseguiu realizar seu sonho, que por sua vez também foi curto...
........Nós, Brasileiros, tivemos o privilégio de assistir aos shows desta turnê, embora Andrew tenha considerado sua passagem pelo nosso país como "bastante morna", declarando que em Brasília jamais voltaria a tocar novamente. Ao longo disto seguiram-se alguns Ep’s, mas nenhum Lp... Em 98, após discussão com o selo "East West", Eldritch chuta o pau da barraca, com o "SSV", um troço para o qual até uns colecionadores torceram o nariz... Agora resta apenas o "Mercyful Release", selo de Mr. Eldritch (que já lançou March Violets e James Ray & The Performance), como uma ponta de esperança aos que aguardam novidades, já contemplados com um pirata da tour "Event Horizon", onde a novidade se faz na presença das faixas: "Come Together", "Giving Ground", "Suzanne", "Will I Dream", "Summer", "Romeo Down" e "Confortably Numb" (Pink Floyd). Esta história é bastante conhecida de todos, mas valeu pelo fato de ser a minha última matéria do milênio. Vida longa ao Sisters!!!

Morpheus Affinito