Qual a ideologia do seu Coturno?


........Resolvi comemorar meu 18º aniversário no Armageddon. Aquela era a cena londrina brasileira. Lembro que passei grandes apuros para chegar até lá, pois saí muito tarde de casa e já não havia mais ônibus. Como o mal só acontece com os outros, resolvi andar livremente pelas ruas do centro.
........Naquela época, os góticos não andavam camuflados com seus bonés dentro do Metrô. Ninguém evitava maquiagem, com sol ou chuva. Não que hoje eles tenham chegado ao bom senso de perceber que no calor a cor preta retém mais a luz.
........Não - eu, como qualquer outra pessoa que ande em São Paulo, pude conferir alguns ainda se derretendo dentro de seus sobretudos num dia de verão. Mas talvez porque o "movimento era mais forte" e, como havia bastantes adeptos, por que iria sobrar para mim?
........De repente, um rapaz me parou. - Você é gótico? - disse ele expondo sua suástica no braço direito. Respondi, com as pernas tremendo: - Não, por que? - contuinuei andando sem deixar que aquilo me abalasse. Novamente outro rapaz me abordou - esse era mais branco que eu e parecia já ter freqüentado uns 155 anos de academia. Olhou fixamente para mim e, com um tom de ironia, me perguntou: por que todo gótico é homossexual? A sua trupe ria porque eu não conseguia responder de tanto medo. Ele olhou para os meus pés e me perguntou com uma cara de bravo: - Você usa coturno. Qual é a ideologia do seu coturno? Então começaram a me dar uns tapinhas - para não perder o hábito. Como se o mais forte fosse aquele que pudesse bater.
........Consegui escapar das garras deles, tendo apanhado só por estar com roupas pretas, pois nunca fui gótico. Para falar a verdade, nesse mundo alternativo conheci algumas figuras que, dentro do estereótipo, são góticas. Porém, fora do estereótipo, não conheci nenhum. Não vi nada além de utopia e exibicionismo.
........Naquela época, alguns darks ainda reinavam e odiavam ser confundidos. Eu tenho um carta, não muito antiga, de um amigo e leitor do Love Cure’s (Paulo Duarte), em que ele demonstra toda sua repulsa ao gótico. "O gótico atual foi aquela pessoa normal que já saiu de uma vida sem cultura e entrou no maior embalo dentro das nossas tendências! O gótico é a porta de entrada do universo dark. Mas o problema é que as pessoas entram e ficam presas nessa porta. Góticos são aqueles caras que se arrastam bêbados e vomitando pelos cantos dos clubes undergrounds. Medrosos, exibicionistas e outros tipos de insensatos. Eu gostaria que dark fosse igual à sociedade maçônica. Uma sociedade discreta e fechada, para impedir a entrada de pessoas com baixo nível cultural, que usam as tendências obscuras somente para nos expor ao ridículo".
........Eu não sou tão radical quanto ele e nem dá para generalizar, mas confesso que já presenciei coisas tenebrosas - que não condizem com aideologia. O movimento dark sempre foi mais discreto (muita gente até acha que já acabou). Dentro das suas diferenças, eles sempre conseguiram avaliar uma boa música, uma boa literatura, etc... mesmo fora dos padrões.
........Quando consegui chegar no Armageddon, alguns me perguntavam o que tinha acontecido, outros olhavam ironicamente. Dentro das boates, mesmo com tanta rivalidade e diferenças, todos estavam sempre juntos. Muitos apanhavam enquanto se pintavam ou mesmo eram linchados enquanto dançavam tristemente na pista. O clima era pesado e intrigante, pois todos sempre temiam brigas.
........Algumas vezes isso chegou ao insuportável. Você se recusava a ir a alguma festa no ABC, certas vezes pela distância, outras por temer confusões. Se você fosse sem visual uns falavam que você era um traidor do movimento, outros perguntavam há quanto tempo você curte. Como se alguém que paga a própria entrada tivesse a obrigação de dar satisfações por estar ali. Como se tivesse que dar satisfação porque anda na rua com a roupa que quer e, ainda pior, ser associado a algum movimento.
........Após alguns vinhos de má qualidade, esqueci. O cara me bateu e não mudei nada em função disso, porque não estava ali por um motivo "estético", mas emocional. Andava daquele jeito porque me sentia daquele jeito. Achei que tivesse a liberdade de expressar isso sem precisar ser adepto de um movimento. Em Londres, segundo amigos, você vê alguém fora de qualquer figurino gótico dançando Death in June, e acha natural. Porque o que realmente importa é aquilo que emociona você e não sua aparência.
........Briga, como essa de dark e gótico, surgiu recentemente com a nova geração de cybers (da era Prodigy). Uma molecada de 12 anos, que desconhece a ideologia e até mesmo bandas geniais do cenário eletrônico, acolheram um rótulo e o distorceram. Foram recebidos a pontapés, como se eles, e não a mídia, fossem os responsáveis por tudo isso. Espancá-los não foi a solução. Eles continuam a desfilar suas camisetas da Escola de Divinos e seus cabelos coloridos melados de gel.
........Quando saí do Armageddon vi dois punks baterem em um heavy metal na Consolação. Dentro do ônibus tentei analisar quantas cenas de rivalidade. É um processo comum: todos os anos surgem novos adeptos em todos os movimentos - metade vem por embalo e a outra metade por ideal, gerando comportamentos diferentes e até mesmo equivocados; enquanto os mais velhos vão abandonando (alguns casam, outros entram em alguma religião, outros mudam de movimento...). Cheguei à conclusão de que não precisava aceitar nada que ninguém fizesse e, sim, respeitar.
........Acordei com os gritos do cobrador tentando me avisar que aquele era o ponto final (pelos menos ele me deixou voltar gratuitamente). Desci sob olhares irônicos e muitas perguntas rodavam na minha cabeça. Entre elas: qual será a ideologia do meu coturno?

Gheirart