Graziela

Pedro Luís Pereira de Sousa

Napoles, 1872.

Onda azul a correr tão vagarosa
Porque choras assim beijando as praias?
Não são virgens de amor as de Sorrento?
Onda azul, onda azul, porque desmaias?
        A lua pelos céus corria bela
        E a onda murmurava: Graziela!

Brisa macia, que brincais nas folhas
Da verde ramagem tão florida,
Porque não correis por êsses campos
Espalhando perfumes, amor, vida?
        A lua pelos céus corria bela
        E a brisa murmurava: Graziela!

Virgem morena - dêsse céu d'Itália
Porque choras assim? Tanta amargura!
O canto da guitarra é mais suave
Do que um gemido sôbre a sepultura:
        A lua pelos céus corria bela
        E a brisa murmurava: Graziela!...
página anterior
página inicial
imprimir este textoenviar por correio eletrônico
# (Anôninos, etc...) a b c d e f g h i j k l m n o p q r s t u v w x y z
proposta do site | sobre a cultura gótica | créditos | contato
1998/2002 © Carcasse.com | comunidade virtual da arte obscura